[CULTURAÇÃO] Um livro pra chamar de meu

Boise, Idaho
Olá pessoal! 
Tudo tranquilo?

Que milagre eu esta por aqui postando na mesma semana, porém, mesmo com um dia conturbado decidi tirar uma hora para vir escrever aqui algo que muito me inspira. Eu sinto faltar de uma coisa recentemente na minha vida: Sonhar!
Espero que você não tenha sentido isso, contudo, as vezes sinto que estou vivendo uma vida mecânica, normal, caminhando como um robô. 
São provas, são reuniões, são trabalhos... Com tudo isso, parei de escrever. Escrever era o meu sonho de menino, quer dizer, para ser mais exato, meu maior sonho quando criança era ser Escritor. O sonho continua, só que talvez esteja apenas adormecido.
E até conseguir publicar um conto recentemente, mas, parece que tudo travou. Isto parece tão distante!

Desta forma, aceitei o desafio de sonhar com uma postagem sugerida pelo Projeto Culturação, SAIBA MAIS.
A ideia é imaginar que sou um grande autor de livros e estou finalizando meu mais novo lançamento, que todos estão chamando de “futuro best-seller”. Um jornal mega famoso enviou sua melhor repórter para me entrevistar, a fim de fazer uma matéria exclusiva sobre meu mais recente trabalho. Estas são as minhas respostas para as perguntas: 

Qual o título de seu livro?
"Idaho - Onde eles buscarão a felicidade"

Qual gênero ele se classifica e sobre o que ele é?
É um drama contemporâneo. 

O que (ou quem) te inspirou a escrevê-lo?
Nossa, acredito que muitas pessoas me inspiraram a escrever este livro. Temo em dizer que muitas delas nunca saberão disto, mas elas foram tão importantes na minha vida. Um amigo que conheci de forma inesperada, talvez, tenha sido o ponto de partida para pensar na grande viagem que decidi escrever.

Como são os personagens principais e quais são seus pontos fortes?
É uma história com um número interessante de personagens principais, pois, ao todo são 5 protagonistas. Dentro de uma cidade você encontra tantas personalidades, mas amo esses personagens porque todos eles tem algo em comum: a coragem.
Acredito que a coragem não está no fato de você nunca sentir medo, porque esta é uma história de pessoas amedrontadas, contudo, coragem é fato de você ir assim mesmo. Colocar o medo no bolso e ir.

Me fale sobre os vilões?
Acredite quando eu digo que o vilão desta história é a própria vida. Não que eu queira dizer que viver não é bom, não é isso. Quero mostrar como as situações a nossa volta, os acontecimentos inesperados podem ser para nós grandes vilões, pois nos colocam em choque com coisas que não queríamos enfrentar ou que não nos sentimos prontos para vivenciar.

Os personagens principais têm melhores amigos? Como são eles?
Como eu disse, são cinco protagonistas que ao longo da história vivenciam um grande história de amizades. Se pudêssemos ver sob a ótica de cada um deles, perceberíamos que eles são amigos reais, imperfeitos e cheios de bom humor.

Qual o “momento êxtase” do livro?
Não quero dizer num todo, pois seria revelar um desfecho muito forte, mas o reencontro de dois irmãos de alma é o  momento de maior importância dentro da história, talvez o mais esperado, ainda que este possa nem ter acontecido de fato. 

Pra quem vai a dedicatória?
Sempre sonhei com essa dedicatória e a escrevi muito antes de começar a escrever a primeira linha: 

Para a sigla de consoantes que une todos as cinco almas dessas histórias, que não só existem, como são imortais: M.N.L.R.D

Quem leu o manuscrito em primeira mão?
Meu melhor amigo.

O que a crítica está dizendo sobre ele nas mídias?
Tenho visto criticas divergentes em geral sobre o livro. Há quem se identifique muito com as histórias e reflexões feitas, e acreditam no potencial da narrativa. Há quem diga que o livro seja reflexivo demais, ou mesmo, não apresente de forma realista a vida.

E assim eu acordei!

Por Jônatas Amaral



Jônatas Amaral

Sou Jônatas Amaral, 22 anos. Paraense, Brasileiro. Formado em Letras - Língua Portuguesa. Um sonhador por natureza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário