[ELEIÇÕES 2014] Encarando a Urna...


2014 é um ano importante para nossa história. Ou, pelo menos, devemos fazê-lo como tal. 

Ano passado, as ruas foram invadidas. Via-se por toda parte a tal hastag #VemPraRua, foi para a rua? E agora? Tem coragem e pensamento de mudança suficiente para ir à urna e realmente fazer a diferença, Começar uma mudança?

Eu sinceramente ouvir por ai: “Pra que votar? Nada muda!” ou “Deviam acabar com o voto obrigatório!”. Acabar com aquilo que realmente pode mudar algo? O lugar onde podemos dar nossa opinião ou mesmo se omitir?

Hoje, quando fui até a minha zona eleitoral e fui para trás daquela cabine branca, deparei-me com ela: A Urna. Foi à segunda vez que a encontrei, porém foi a primeira vez que escolhi um candidato a Deputados, Senador, Governador e Presidente. E depois de tanto pensar, percebi, parei, veio algumas duvidas, veio questionamentos, veio certezas. Refletir por alguns segundos, meu voto é uma escolha. Podem pensar que não, mas um voto faz toda a diferença. Principalmente em uma eleição como esta, onde a disputa é acirrada, voto a voto, defini as coisas. Pelo menos à Presidência é assim.


Ao escolher nossos candidatos, pelo menos deveríamos analisar suas propostas, analisar suas posturas, passá-los por um crivo. Mas, o que vemos afinal: “Vou votar no menos pior”. (Se bem, que em alguns estados brasileiros, isso é uma frase que defini bem a política deles, afinal o que fazer?). “Vou votar em qualquer um, só porque sou obrigado”. “Este é o meu candidato por que acho o olhar dele engraçado”. “Vou votar nele porque ela é um bom meme de internet, e fui com a cara dela”. 

Há aqueles que realmente dizem: “Este é o meu candidato, porque ele realmente me representa”. “Ela é a minha candidata, porque ela diz o que ninguém quer dizer”. “Ele e Ela são minhas escolhas por fazerem a diferença.”

São escolhas. Escolhas que temos que tomar, temos o direito de tomar e de expressar, público e secretamente. Nos momentos seguintes ao meu voto, olhei para o chão e vi aqueles “santinhos”, estampando caras desconhecidas. No fim das contas, é assim que votamos: Em desconhecidos. Conhecemos o que deles é público, o que não é, saberemos ou não depois. Pois bem, fiz a escolha naquele que detém a proposta, a postura que mais me convenceu. No fim, das contas é assim que escolhemos, depois de julgarmos tudo. 

Querendo ou não aceitar, votamos na palavra, votamos em um discurso. A certeza do que será feito, caberá vermos através dos próximos quatro anos. Como é importante essa coisa obrigatória que é votar né? Tão inútil para alguns manifestantes que vão as ruas para se divertir, brincar de fazer mudança.



A Urna é algo que precisamos encarar. A Urna é uma amiga que precisamos encontrar de tempos e tempos para dizer a nossa opinião. A Urna é uma aliada nossa, onde podemos nos arriscar em dizer: - Esse é o meu voto. E eu aceito as consequências dele. Esta é a minha opinião.

Por Jônatas Amaral

Jônatas Amaral

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.

Nenhum comentário:

Postar um comentário