Ganhei! Comprei! Fui Presenteado! #6


Março passou devagar.
Sei que muitos vão discordar dessa minha afirmação, mas verdadeiramente para mim, esse mês passou muito lento, foi como se eu tivesse vivido dois meses num só.
Aconteceu tanta coisa, vivi tanta coisa, ganhei tanta coisa, não comprei muito, mas por falta de dinheiro não de vontade. Fui presenteado, quem diria!!

Bem vindos a 6º edição da coluna, Let's go!

CD Discopraise "Como se não houvesse amanhã"
GANHEI!




Ganhei este Cd em uma rifa da minha célula (Grupo Cristão da I.E.Q.) apenas com um número. Muita sorte! 
O disco é muito maneiro.
A Banda estará em Belém, mas precisamente na minha igreja, na programação da II Conferência de Células, no dia 05 de Abril.
Para mais informações:


Mangá "Homem Aranha" edição nº 01
COMPREI!

Este mangá eu comprei de repente, há um certo tempo; ele devia estar na coluna de novembro, eu acho, mas esqueci.
Foi um tanto engraçado a compra dele: estava eu e um amigo no sebo perto de casa, esperando a chuva passar quando ele encontra a publicação e me mostra.
O Homem Aranha é o meu quarto super herói preferido (depois do Iron Man, Capitão América, Ciclope). Quando notei ser um mangá produzido pela Marvel em 1998 e ser este o nº 01, não resistir e comprei, sem saber que meu amigo também queria levar.
kkkkk




Edição 59 e 62 da "Turma Mônica Jovem"
COMPREI!


Há alguns meses, por motivos de força maior, acabei deixando atrasar alguns números da revista. Ainda estou atrasado e como não tenho condições de fazer uma assinatura, conto com a colaboração de amigos e sebos.
E foi no sebo perto que acabei encontrando essas duas edições faltantes, fiquei tão feliz que desembolsei o dinheiro.
Já li e são muito boas. "Encontro Marcado" já se tornou uma das minhas favoritas.

"Algorítimos Sagrados: Almas Seladas" de M.L.Pontes
GANHEI!


Este livro ganhei em uma promoção do blog De Tudo um Pouco , que presenteou 10 sortudos com esta obra nacional. Eu fui o 10º sorteado! Esse mês eu estava com sorte.
Feliz ao extremo quando recebi e li as primeiras páginas.
O Livro veio autografado:



O Livro é o 1º livro de uma série e em breve terei o deleite de ler e resenhar!






"O Mago de Camelot" de Marcelo Hipólito
GANHEI! FUI PRESENTEADO!

idade medieval

Este livro eu ganhei ou mesmo fui presenteado a partir da parceria com o autor Marcelo Hipólito.
Um livro interessante. Um grande ponto de partida para se aprofundar cada vez mais no tema.
Já tem resenha no blog, confira AQUI!
Uma parceria que espero perdurá por muito tempo.

"O Reino" de Clive Cussler e Grant Blackwood
FUI PRESENTEADO!

aventura livros
Estava querendo este livro a certo tempo. Tentei ganhá-lo em promoções e em um possível Top comentarista , porém não aconteceu.
Mas, eis que a Jeniffer, do Blog Meu Outro lado, me presenteou com esta obra, que ela definiu parecer ao estilo 007, apesar de eu achar a la Indiana Jones, mas acredito ter um "Quê" de originalidade. 
Apesar de ser este o terceiro da série, sinceramente quero começar a ler por este.
Não me pergunte porque, por que não sei! kkkkk

Em Breve mesmo, terá resenha no blog.





"Feita de Fumaça e osso" de Laini Taylor, "O Começo de Adeus" de Anne Tyler e "Private" de James Patterson e Maxine Paetro.
GANHEI!


Esses três livros eu ganhei em uma promoção interessante Blog Meu Outro lado. Três livros que eu gostaria e tive a oportunidade de tê-los e apreciá-los.

"Feita de Fumaça e Osso" é um livro com uma capa linda, uma das mais bonitas da minha estante até agora. E possui uma história que parece intrigante.

Até minha mãe achou interessante, minha mãe. Olha que ela nem gosta desse tipo de história, mas foi o que ela me disse:

"Esse aqui parece ser o melhor, acho que eu vou ler antes de ti"

Então tá né!


Tyler"O Começo do Adeus" é um livro 'intrigantemente' estranho para mim. 
Quero muito ler por sua premissa um tanto diferente e bonita, quanto por sua capa. Ambos os elementos que foram bem criticados pelos resenhistas de alguns blogs, o que só me animou ainda mais, confesso.
Gosto de me desafiar e conferir história assim que tem a oportunidade de errar.



serie private"Private" é um daqueles livros que eu gritei "ALELUIA!" quando coloquei na minha estante, por tê-lo conseguido.

Patterson é um escritor renomado de leitura policial, investigativo, um gênero que amo muito e muito. Me sentia em pecado por não conhecer e agora tenho a oportunidade.

Acredito que virão outros livros do autor, porém esse será o primeiro e ponto final.



Foi um Mês que passou devagar e que trouxe muitas surpresas. 
Fico feliz por isso!

Março está indo embora, ficando na história.

Que venha Abril com suas surpresas!

Espero que tenham gostado!

Até logo!

Por Jônatas Amaral

[Pura Magia Disney] "Mogli - O Menino Lobo" (1967) #1


Tudo começou em uma floresta da Índia, quando a pantera Baguera ouvi um ruído estranho ressoando na floresta. Era um filhote de homem.

Sabendo que aquele menino jamais sobreviria sozinho, ali jogado na floresta, Baguera o deixa em uma família de Lobos, que adotam o garoto de forma muito amigável. Fazendo dele um filhote “legítimo” da matilha. 

Alguns anos se passam, Mogli cresce. O Garoto se adaptou a floresta, porém a situação mudou, porque Shere Khan, o Tigre, voltou para aquelas bandas da floresta. E numa reunião extraordinária, o líder da Matilha, percebe que a segurança do menino está abalada, pois o tigre odeia os homens e com certeza não vai querer ver Mogli crescer e saber o que é caçar.


Assim, começa a jornada de Mogli rumo à aldeia de homens mais próxima, jornada essa imposta, afinal o garoto não quer ir para lá. Acredita ser a floresta a sua casa. Baguera é o incumbido de leva-lo e terá que mostrar que é a melhor decisão.

Quando Mogli conhece Balu, o urso mais “de boa” da história das histórias, e começa a querer a aderir a filosofia de vida de Balu, que só admiti o necessário,somente o necessário, as coisas começam a ficar agitadas.  Assim Mogli conhece o orangotango, Rei Louie. Uma tropa de elefantes. A Cobra Kaa, que sabe hipnotizar suas vítimas, antes de comê-las. Além de um grupo de urubus muito afinados e agourentos. 

Opinião

Toda a história de Mogli, do encontro com baguera até a aldeia dos homens, é uma jornada que leva Mogli e o telespectador a um possível entendimento ou a um questionamento: O nosso verdadeiro lugar, onde fica? Nosso lar?

Mogli foi um garoto que adaptou ao convívio da floresta, ali encontrou uma família, mas visivelmente, e o filme sempre parece querer colocar isso em evidência, que aquele não é o lugar de Mogli. Uma forma de evidenciar isso é fazer Mogli andar como um homem, sob duas pernas, o que seria estranho afinal ele foi criado por lobos, e seria natural ele ser como um lobo. Naquele lugar ele é feliz, mas algo falta.

A cena final nos deixa isso claro, O menino lobo na tentativa de permanecer na floresta, tenta “transformar-se” em outros animais: Urso, elefante, ou seja, ele perderia assim a sua identidade ali. Quando ele se depara com a garotinha ele nota que ela é parecida com ele. Mogli se apaixona pela garota, algo que com certeza, ele não encontraria naquelas florestas da India. Não conseguiria cumprir a ordem da natureza: Nascer, crescer, reproduzir e morrer.

A floresta, contudo, não deixa de ser um lugar importante para Mogli. Um lugar que todos nós deveríamos passar para aprendermos algumas coisas. Por exemplo, sua vida na floresta jamais levará Mogli a matar aqueles animais da forma bruta, como obviamente era feito (Isso ainda acontece); Pois, ele conviveu de perto com aquela natureza, com os animais. Mogli, deve ter se tornado um homem diferente de todos.

Na Floresta, Mogli aprendeu 10% de tudo o que ele aprenderia em sua vida. Os amigos que ele encontra são vitais para aprender coisas essenciais para fora da floresta.

Os Personagens

1- Baguera e Balu

São personagens que equilibram a razão e a emoção na vida do menino.

Baguera é astuto e inteligente. Ele vê que Mogli precisa voltar para aldeia. Ama o garoto e ver a necessidade desse retorno. Mostra a Mogli que a vida é cheia de perigos e necessário é a atenção, perspicácia, razão na vida. Nem tudo é um mar de rosas.


Balu é dono de um coração enorme, ama o garoto, é um urso um tanto irresponsável, que vive a vida de forma despreocupada. Ele age usando a emoção e Mogli sente na pele que vivendo “deixando a vida levar” pode ser um problema.

Algo muito interessante é que Balu, mesmo sendo um tanto irresponsável, evolui e mostra o quanto ele pode ser protetor, mostra que sabe usar a razão. E apresenta algo incrível: Viver com o Necessário. De todos os personagens ele é o mais complexo e amado.

2- Rei Louie, Kaa, Os Abustres, Shere Kan

Esses são quatro personagens que Mogli encontra por seu caminho:

Rei Louie é o rei dos macacos e quer duas coisas: Ser o rei do IêIêIê e saber o segredo do fogo dos humanos. É incrível a analogia que podemos fazer com a teoria da evolução humana.

Kaa, é a cobra, acredito ser ele ainda mais perigoso que o tigre, afinal ela tem lábia. Ela sabe enganar, sabe seduzir. E para as crianças isso é muito importante ser mostrado. Falar que precisamos ter cuidado, nem todo mundo que se faz de amigo é amigo. 

Os Abustres são hilários. Porque eles são muito amigos e vivem tentando fazer uma nova “jogada”. Quando Mogli chega ali no pântano, já separou de todos, está numa crise, os abutres são a sua única companhia. A amizade veio até do fundo do poço. É engraçado, porque os abutres geralmente são ligados à morte e ali eles demonstram amizade. Eles são os personagens mais engraçados por suas contradições na tela.


Shere Kan é o vilão. Representa vingança. Ao Mesmo tempo que revela as dificuldades da vida que nos fazem amadurecer, nos faz ver o melhor, mesmo que o nosso querer seja outro.




Histórico

Mogli, ou The Jungle Book, foi o 19º filme de animação da Disney. Estreou nos EUA no dia 18 de outubro de 1967, com grande sucesso de bilheteria no mundo todo, arrecadando mais de 200 milhões de dólares para o estúdio.


Foi o último filme que o produtor Walt Disney esteve ligado como produtor. É o último filme que tem dedo desse gênio, pois ele morreu no dia 15 de dezembro de 1966, quando filme ainda estava em produção. O filme estreou cerca de 10 meses depois de seu falecimento.

Personagem Inédito 


O filme teve um personagem excluído da sua versão final. Que foi o personagem Rocky, o Rinoceronte. Ele seria um dos últimos habitantes da floresta que Mogli encontraria. E depois disso, Mogli cantaria com os abutres uma canção a La “The Beatles” que foi substituída. Essa curta cena, com participação de Rocky e a canção estão contidas nos extras da edição de aniversário do filme, no formato de storyboard.

Novidades

Este mês chegou às lojas a edição diamante de “Mogli – O Menino Lobo”, com alta qualidade de imagem e som. Muitos extras sensacionais. Além do relançamento de Mogli 2, e um Box com os dois filmes.

Compre aqui: Saraiva!

Experiência Vivida 


Mogli fez parte da minha infância inteira. Desde que eu me entendo por gente eu assisto a esta história e mesmo hoje já quase um adulto continuo aprendendo e percebendo meu mundo de uma forma diferente todas as vezes que sento e me deixo adentrar nessa história.


A Música “Somente o Necessário” é mais entoada pelos meus lábios, principalmente quando a vida está um stress só. Eu canto e percebo que a gente pode viver só com o necessário e assim ser feliz. O Extraordinário é demais. Para que ter um computador que caiba todos os arquivos disponíveis na Internet, se eu tenho um que ocupa tudo aquilo que gosto e preciso, ainda assim, sobra espaço.

Mogli me apresentou a floresta, onde a gente aprende tanto antes de voltar para a nossa realidade.

Assim se fez a Pura Magia Disney, até a próxima.

Por Jônatas Amaral

[RESENHA] "O Mago de Camelot" de Marcelo Hipólito


Novos Talentos Editora Novo Século.

Foi uma grata surpresa fechar parceria com o autor Marcelo Hipólito e com grande alegria que começo essa resenha agradecendo a esse autor e desejando todo sucesso do mundo.

“O Mago de Camelot” é um livro que nos convida a se aventurar em um Britânia, mais especificadamente entre os séculos III ao século V da Era Cristã.

Sinopse"De um infância pobre e sofrida à irresistível ascensão aos salões dos grandes reis; de um começa sem esperanças ao despertar de um poder inigualável e temido, Merlin vem a se tornar o homem mais influente da Idade das Trevas. Confidente supremo do rei Arthur e maior conselheiro da corte de Camelot. Misterioso e enigmático. Amado e odiado. Druida, monge e mago.A Saga de um homem determinado a erigir uma civilização de paz e justiça numa terra devastada pelo caos e pela guerra irrompe em uma aventura brutal que equilibra realismo duro com doses amargas de magia."

A história tem como protagonista o mago Merlin e acompanhamos a sua história desde a sua infância até a sua fase mais madura. No meio tempo encontramos os famosos Rei Arthur, Morgana, Uther e tantos outros personagens lendários, tendo suas vidas recontadas pelas palavras de Hipólito.

Como pano de fundo histórico temos o conflito que os britânicos enfrentaram da queda do Império Romano à barbárie dos invasores saxões.

Marcelo Hipólito Livro Obra

Não se deixe enganar pelo número de páginas afinal nas suas 151 páginas, o livro tem muita história para contar e abrange um espaço de tempo enorme e incrível. Este detalhe tanto é um ponto positivo, quando pode ser um ponto negativo.

Por quê?

O livro por abranger muitas histórias, sempre centrando na figura de Merlin, nos faz mergulhar em muitas épocas distintas, sempre conhecendo novos personagens a cada capitulo e suas histórias. Vemos inúmeras guerras e façanhas. Espantamos-nos, muitas vezes, com a brutalidade de eventos... E tudo isso, e muito mais com uma linguagem muito objetiva, com descrições curtas. É uma leitura rápida e fluida.

Marcelo HipólitoLogo, essa mesma objetividade pode ser um ponto negativo, pois, em relação aos personagens, que são muitos, você pode acabar não conseguindo se apegar torcer, se emocionar por algum, tamanha, às vezes, a velocidade que tal personagem entra na história e sai. Desfalece em uma guerra, Cresce, some. Isso pode ser um problema, para alguns determinados leitores. Claro, ressalto, dependerá de cada leitor.

O que eu mais sentir falta foi desse aprofundamento dos personagens, apesar de entender que esse talvez não fosse intenção total do autor; mesmo porque o autor conseguiu reunir um espaço de tempo grande em poucas páginas que, a meu ver, fez muito bem, principalmente porque, a maior qualidade deste livro é ser uma excelente introdução ao tema.

Para quem nunca leu sobre esses personagens ou não tinha conhecimento da base desta história, pode ser encantar e com certeza irá procurar conhecer mais.

O personagem Merlin, é o personagem foco dessa novela, e ele é o elemento que, mesmo eu não tendo por ele total afeição, te faz sentir reações diversas durante a leitura. É o personagem mais denso da história, pois conhecemos ele desde sua infância nessas páginas.


Meu personagem preferido ( o melhor personagem em minha humilde opinião) é um jovem rapaz, irmão de Merlin, chamado Nennius. É um personagem com uma participação curta na história, mas fundamental. Ele teve um começo, meio e fim bem delineado que consegue fazer o leitor sentir inúmeras emoções por ele, inclusive total carinho.

Rei Arthur Merlim Marcelo Hipólito
"O Mago de Camelot- A saga de Merlin para coroar um Dragão" De Marcelo Hipólito.
Editora Novo Século.151 Páginas, 2013. 

Enfim, é um livro com uma leitura fluida, carregada de surpresas, de maneira que também é um excelente ponto de partida para um maior aprofundamento do tema e, com toda certeza, merece ser lida e apreciada.

Por Jônatas Amaral

Coluna: "Pura Magia Disney" - APRESENTAÇÃO




Sabe quando você precisa escrever sobre algo e não sabe exatamente sobre o que. Você para e pensa: O que me deixaria feliz completamente em fazer, escrever, ver e pensar. Quero uma coluna nova no blog, mas falando sobre o que? 
Uma Coluna? 
Escrever sobre algo que eu goste e que faça os olhos de meus queridos seguidores brilhar.

De repente as ideias vêm e tomam conta da sua mente, ganham forma, de deixam num estado de ânimo. Assim, você tem a certeza é aquilo que você tanto procurava.

Assim nasceu esta coluna. Walt Disney sempre incentivou a fantasia, a imaginação, a realização dos sonhos. Sendo assim, esta coluna me inspira a colocar a imaginação para trabalhar, a fazer acontecer. Ir há outros mundos e viver grandes aventuras.

Os filmes Disney fizeram parte de toda minha existência assim como de muitos que por aqui passam os olhos. E será sobre eles que falaremos nesta coluna que pode ser semanal, quinzenal ou mensal, dependendo do que exigiremos dela. 

Roteiro, Experiências, Personagens, Canções, Curiosidades de tudo isso essa coluna é formada. 

Espero que gostem, não deixem de comentar, seus comentários são nossa melhor forma de saber o que vocês pensam e sente. Indique obras da Walt Disney Pictures que marcaram suas vidas e gostariam de ver por aqui. Esta coluna também é de vocês.

Assim sendo, deixe a pura magia Disney te levar por outros e infindáveis caminhos.

Um grande abraço,




Até mais!

Por Jônatas Amaral


[RESENHA] "A Livraria 24 Horas do Mr. Penumbra" de Robin Sloan


“É o tipo de loja que faz você querer ser um mago adolescente” (pag. 19)
Ponho um disco de Jason Mraz para tocar. Sento em frente a minha estante de livros e filmes. Na minha frente tenho a imagem da capa de um livro que me surpreendeu grandemente. Que ganhou minha admiração por suas incríveis qualidades e com seus defeitos. Uma obra que ficará guardada em meu coração.

Conhecemos a Livraria 24 horas do Mr. Penumbraa a partir do jovem Clay Jannon, um designer que devido a recessão econômica é obrigado a aceitar o trabalho de balconista desta estranha e surpreendente livraria.

Clay já realizou alguns projetos interessantes em sua área, mas seria ali, naquele livraria, que desenvolveria seu melhor e maior projeto e tudo isso começa com sua curiosidade.

Penumbra, um senhor muito estranho e querido, lhe dar o emprego com algumas regras e a essencial é: Não leia os livros.

Poucos clientes. Uma loja que pouco vende. Os únicos visitantes são estranhos “clientes” que vem eventualmente, principalmente durante a madrugada, buscando livros do Catálogo Pré-Histórico.

Há coisas estranhas acontecendo na livraria do Mr. Penumbra. Coisas essas que levara Clay, sua namorada, Kat; seus amigos Mat e Neel a adentrar em uma investigação que envolverá livros, tecnologia, uma sociedade secreta e,talvez, o segredo da vida eterna.

“- Nem todo mundo. Há muitas gente que, o senhor sabe... 
gente que ainda gosta do cheiro de livro.” (pag. 72)

Antes de me aventurar por este livro eu já havia lido bastante sobre ele e nem sempre comentários positivos. Certas criticas, por mim, não foram aceitas ao terminar a leitura.

Este livro é uma obra impressionante e uma história diferente de tudo o que já li. Surpreendeu-me bastante e acredito que um dos fatores para que isto tenha acontecido foi o fato de não ter ido com tanta sede ao pote de ouro.

É um mistério. É uma investigação, espera-se muita ação, muita correria, tensão... Mas, se é isso que procura este livro não oferece. Sinceramente, o que você encontra é tão intrigante e delicioso que tais elementos meio que podem ser deixados de mão.

“Porque você gosta tanto de livros?” (pag.110)
Sloan faz uma história misturando fantasia, toques de ficção cientifíca, mistério e cotidiano, tão bem escrita que, de alguma forma, por mais absurdas que sejam algumas situações, a história parece ter acontecido ou estar acontecendo de fato.

Há muitos momentos de diálogos em lugares cotidianos, encontros casuais... O que pode nos dar a impressão que a história estar parada, mas a meu ver e essa foi minha impressão, é nesses momentos que a história mais te faz pensar.

Sobre o que afinal?

Neste livro o passado, o presente e o futuro são confrontados. O Clássico e o inovador. O antigo e o novo. O livro físico e o livro digital.

“Livros antigamente, eram algo de altíssima tecnologia. Não são mais.” (pag. 98)

Faz-nos refletir: será que a internet vai substituir de alguma forma, ou mesmo, completamente a leitura de um livro físico? Por exemplo.

Robin Sloan cria uma história que fala sobre livros, paixão por livros. E também sobre tecnologia e o amor a ela. Umas histórias de como essas duas coisas possam ao mesmo tempo atrapalhar uma a outra, porém, principalmente como elas podem se complementarem.

“O livro exatamente certo, no tempo exatamente certo” (pag. 288)

Amantes da leitura precisam mergulhar no que esse livro ensina; refletir sobre essa estória e os temas levantados. Isso nos abrirá o pensamento. Pode até ajudar a quebrar preconceitos, nos ensinar a respeitar determinadas práticas.

A Narrativa é recheada de referências a outras obras literárias: famosas, populares, algumas inacessíveis outras completamente desconhecidas pela maioria. Há algo melhor do que ler sobre livros?

Há também muitas referências a termos da tecnologia/informática, elementos que podem ser um problema para aqueles que não conhecem ou não gostam, porém acredito que também pode ser uma boa forma de adquirir um novo conhecimento e porque não ter esse pequeno conhecimento extra?

Mr. Penumbra’s 24‑Hour Bookstore, Robin Sloan.
Editora Novo Conceito, 2013. 288 páginas
Eu gostaria muito que esse livro não ficasse numa estante empoeirando ou simplesmente esquecido no limo da história. É um livro que merece ser lido e relido. Talvez, você leitor não tenha a mesma impressão que eu tive; talvez nem goste da história como um todo, mas saiba: você não sairá vazio ao terminar a leitura dele. Algo novo terá aprendido ou pelo menos terá algo a refletir: O que a leitura pode fazer por um homem? A importância da tecnologia, e sim, talvez você descubra (nem que seja nas últimas linhas) o segredo da imortalidade.

“Nada dura para sempre. Todos ganhamos vida, reunimos aliados e construímos impérios e morremos tudo em um único instante... talvez numa única pulsação de algum processador gigante em algum lugar.” (pga.127)
Por Jônatas Amaral 

Participe
Promoção Páscoa com Recheio de Livros, clicando AQUI!

[PROMOÇÃO- RESULTADO] Páscoa com Recheio de Livros - 31 livros, 5 ganhadores:



Olá, meu queridos!


todo mundo animado para a Páscoa??? Prontos para celebrar?? Prontos para comer muito chocolate??? 

O Minha Velha Estante, O Blog Alma Crítica e mais 28 blogs se juntaram para trazer uma Páscoa diferente para você: você pode até ganhar chocolate por aí, mas a gente vai te dar livros!!!! Serão 5 kits com 6 livros cada um (apenas o kit 1 tem 7 livros) e você tem cinco chances de ser o sortudo da vez!!! Vai deixar passar? Participa, vai!!!

Kit 1 



Kit 2 


Kit 4  

Kit 5 
   

Veja os blogs participantes e o prêmio que cada um vai oferecer:

  Kit 1:
Devoradores de Histórias: Os Goonies, Steven Spielberg
Coração de Papel: Híbrida, Mari Scotti
Cinco das Artes: Estilhaça-me e Libertame, Tahereh Mafi 
Minha Velha Estante: O Imério dos 4 cantos do mundo, André Luiz Palhardi
Um Best-seller Pra Chamar de Meu: Olho por Olho, Jenny Han, Siobhan Vivian
Garota Pai D'égua: A Garota que Semeava, Lou Aronica

 Kit 2:
Seja cult: Pegasus e o Fogo do Olimpo, Kate O'Hearn
Meu mundo em tons pastéis: Ladrão de Olhos, Jonathan Auxier
Ler para Divertir: A Livraria 24 horas do Mr. Penumbra, Robin Sloan
Drunk Culture: A Corte do Ar, Stephen Hunt
Minhas Escrituras: Brilho, Amy Kathleen Ryan
Desbravadores de livros: Terra das Sombras, Alyson Noel
Papiro Digital: A Tormenta das Espadas - As Crônicas de Gele e de Fogo - Livro 3

Kit 3:
Leituras e Loucuras: Fantasias Gêmeas, Opal Carew
Doces Letras: Se você Fosse Minha, Bella Andre
Pausa Para Um Livro: De Repente, o Amor, Susan Fox
Meus Livros e Sonhos: Dama de Ouros, Carole Mortimer
Seis Milênios: Perto de Você, Bella Andre
Artesanato, Livros e Outras Coisas: Adeus à Inocência, Druscilla Campbell
 
Kit 4:
Meu Passatempo blá blá blá: Beijada por um anjo 1, Elizabeth Chandler
Leituras e Loucuras: Paperboy, Pete Dexter
Confissões Femininas...: Marilyn, Norman Maile
Moda e Eu: Um Homem de Sorte, Nicholas Sparks
Pensamento Tangencial: Lições de Vida, Anne Tyler
Alma Crítica: O Menino do Pijama Listrado, John Boyn

 Kit 5
Ensaios de Uma Leitura: Simplesmente Ana, Marina Carvalho
Livros e Marshmallows: O Segredo de Ella e Micha, Jessica Sorensen
Minha Montanha Russa de Emoções: Presentes da Vida, Emily Giffin
Books and Movies: Julieta Imortal, Stacey Jay
Segredos e Sussurros Entre Livros: Garota Replay, Tammy Luciano
Romances e Sonhos: As Violetas de Março, Sara Ji



Regras:
  • Ter endereço de entrega no Brasil;
  • Todas as regras serão conferidas;
  • Os vencedores terão 72 horas, após a publicação do resultado, para entrar em contato pelo email minhavelhaestante@gmail.com requerendo o seu prêmio com os dados pessoais para entrega;
  • Caso o sorteado não entre em contato no prazo determinado outro sorteio será feito;
  • Os blogs terão até 30 dias para enviarem o livro;
  • Nenhum blog será responsável por extravio, roubo ou perda ocasionado pelos Correios ou por reenvio em caso de endereço incorreto;
  • O ganhador será sorteado apenas 1 vez;
  • Os livros chegarão em datas diferentes pois serão enviados cada um por um blog.
    Qualquer dúvida, deixe um comentário nesta postagem ou mande um e-mail para minhavelhaestante@gmail.com.

Boa Sorte! 

[RESENHA] “Presas – A Dádiva da Escuridão” de Marco de Moraes.


“Onde me sentiria mais seguro: na escuridão do mundo no qual mal enxergo ou na escuridão da minha alma?” (pag. 11)

“Presas” conta a história de um andarilho que teve de recomeçar a sua jornada ao se vê acordando é um pântano sombrio, rodeado de cadáveres humanos. Perdido, sem lembrar nada sobre o seu passado, nem mesmo seu nome. Como foi parar ali, nada. Desnorteado, acaba tendo contato com o humilde e interessante povo do Condado de Wisewood. 

É neste condado que toda a jornada deste homem começa. Sendo traído, mendigando, tenta recapturar de suas vagas recordações o que está acontecendo naquele lugar, entender porque o reino está ficando tão sombrio. Se não fosse o bastante tudo o que aconteceu com este homem até aqui, ele ainda é perseguido por criaturas sanguinárias. O sangue é o alimento. Mas, porque essas criaturas insistem em perseguir este homem? 

Irwin é o nome que lhe é dado por uma donzela neste condado e depois de diversos encontros, ele sabe, pelo menos tem a intuição que as respostas para o que está acontecendo e quem ele é está no Castelo Dos Warin. Rei Máximo do Reino de Forthland. Este é o lugar para onde rumam os pés deste andarilho ao lado de um mercenário ‘bom de briga’ chamado Serge. 

Neste mundo as horas parecem dias, criando um mistura de pesadelo e realidade. Os limites da luz e escuridão se perdem a cada momento em meio à névoa, fazendo com que as criaturas bebedoras de sangue dominem e perdurem na escuridão.

“Presas” é o primeiro livro de uma série que está sendo escrita pelas mãos do escritor carioca, Marco de Moraes. No seu primeiro livro, apresenta uma história intrigante, misteriosa e surpreendente misturada a uma linguagem incrível, super bem trabalhada e poética.

Nos primeiros capítulos da obra começamos a embarcar na jornada deste homem e ficamos como ele: Sem saber que lugar é aquele, o que está acontecendo, quem este homem é... Isso estabelece o elemento ‘mistério’ que instiga o leitor a continuar e devorar cada página. Apesar de o ritmo ainda está lento no inicio, cada detalhe esmiuçado nessas páginas, parece útil e assim é, por isso o trajeto por ele acontece de forma curiosa, o leitor é levado a querer resolver este mistério. 

O livro sofre uma reviravolta depois do ataque de um vampiro, as tais criaturas que estão impregnando este lugar. Com um fato importante neste encontro, às coisas começam a ficar mais curiosas e assim, então, começa a jornada de Irwin, nome que ele adota, até os Warin.

Nesse caminho encontramos Serge, que com toda certeza foi o meu personagem preferido da obra. Ele é um mercenário que vaga pelas florestas. Os Mercenários são homens que escolheram viver por suas próprias regras e desejos. Serge oferece seus serviços em troca de um pagamento. Serge leva Irwin até o Castelo com a promessa de muito dinheiro.

Serge é um personagem valente, todas as suas cenas são incríveis. É só o cara aparecer para que a situação ganhem ares épicos. Além disso, o personagem tem uma frase que não saiu da minha cabeça e vai ficar gravada na minha memória que é:
“Sou melhor naquilo que sei fazer do que imagina”


Todos os acontecimentos deste livro tem sua importância e são bem delineados. Os Mistérios desse livro são muito interessantes e o livro acaba em um ar de mistério grandioso.

Algo muito marcante nesta obra é a linguagem que o autor escolheu para utilizar: Extramente poético, uma linguagem muito bem trabalhada, mostrando que o autor sabe utilizar e muito bem as palavras. 

Talvez, para aqueles que não estejam tão familiarizados com uma linguagem tão poética, reflexiva e por vez, rebuscados. Pode achar estranho e não curtir, talvez! Afinal, essas palavras te envolvem, elas te encantam e se fazem entender maravilhosamente bem.

Poucas vezes vi um autor trazer a poesia tão clara no seu texto, Marco de Moraes chega a rimar algumas orações e estabelece diálogos em forma de poesia:

“ – Quem é?!A barcaça parou à orla do pântano. Ouvi uma voz:- tu me vês porque as coisas são.Não devias teu olhar rendido à tentação.Apresentamo-nos sem cumprimento, sem afago.Sou quem te levará lá do lago” (pag. 61)

Eu consigo ver duas características que merecem nota: Musicalidade e imagem

É impressionante que alguns capítulos desse livro lidos em voz alta são lindos, parecem até terem sido feitos para terem essa leitura. É algo muito legal. 

Alguns lugares e personagens não têm uma descrição precisa, porém o autor coloca pequenos elementos que te fazem ter a imagem daquele personagem, daquele lugar. Imaginação incentivada.

São duas características inerentes ao texto poético.

Presas: A dádiva da Escuridão. Marco de Moraes. Editora Novo Século.
2013. 283 páginas

É um livro muito interessante de se ler. Particularmente, não li nada parecido, até então. O Final é surpreendente. O que fecha com “chave de ouro” e te deixa naquele estado de querer ler o que acontece no segundo volume, principalmente pelo fato de você não conseguir visualizar como aquilo irá ter um seguimento.

É um livro misterioso, que começa num ritmo lento e vai pegando ritmo ao longo das páginas, dando leves suspiros, para recomeçar num ritmo eletrizante. Uma história que mistura terror, suspense, política, Idade Média, algo que enche os olhos. Uma leitura que vale muito a pena fazer.

Por Jônatas Amaral

P.S. O Livro encontra-se em promoção na Saraiva, por R$ 9,90. Não perca e mergulhe nesta obra.

Saiba mais sobre o autor e sua obra, clicando AQUI!

Domingo "Em Família" #3 - Homem e Mulher - Igualdade!


Depois de alguns domingo sem trazer a coluna, voltamos para discorrer, não sobre a novela como um todo, mas sim sobre uma cena em específico.

Um cena que me foi marcante e com toda certeza marcante e que fez refletir todos aqueles que tiveram a possibilidade de assisti-la. Principalmente em uma semana que a figura da mulher estava em foco. Esta cena, responde pelo nome de o primeiro embate de Helena e Laerte depois de tanto tempo. 

Com a morte do pai de Laerte, Helena volta a cidade onde queria esquecer tudo o que passou, mas é inevitável como esse passado ainda é presente em sua vida. Deixou marcas profundas que não foram cicatrizadas. 

Em Meio a tantas lembranças e um salão que no passado foi presente para ambos, os dois se reencontram em circunstâncias adversas.

E tudo parece querer ser jogado, expelido, vomitado depois de tanto tempo. Pelo menos em parte, isso acontece. 

Laerte acusado por Helena, rebate relembrando à ela, que também foi cúmplice no crime que Laerte cometeu. 

Um embate belo, triste, envolvente, violento, que mostrou o quanto esse casal é complexo e tem muito a dizer. 

Entre muitas as quais foram as inteligentes e bem trabalhadas falas deste diálogo, uma revoltou e fez pensar. 

Confira no vídeo abaixo:


Confira a cena na integra, AQUI!

Mais que uma cena de tapas, tão características das novelas. Um cena de embate que consome as almas desses personagens. 
O que meio que abismou a todos foi o tapa retribuído de Laerte, afinal temos a Lei "Maria da Penha". Porém, uma frase veio para fechar o ciclo e fazer pensar:
" - Acha, que só você, por ser mulher tem esse direito. - Diz Laerte"
Claro, nada justifica um homem bater em uma mulher, mas e hoje quando mulheres também não tem respeitado seus maridos. Afinal, casamento é isso: comunhão. Quando não há respeito tudo se quebra. 
Foi uma cena que me fez pensar e refletir, além de outras coisas, sobre casos que já vi: Mulheres que põe em um estado de tal soberania, dizendo sou "independente", sou mulher tenho meus direitos. Se considera assim, tão cheia de si, que coloca seu marido abaixo, inferior a tudo. 
Helena tem culpa no cartório e isso é um fato. O Tapa foi um reflexo de igualdade também. 
Vamos pensar?
Quem é melhor o homem ou a mulher?
Quem é o mais forte?
Quem tem que subjugar quem?
Não deveria haver igualdade?
Um mulher deve ser sobrepor a seu marido a ponto de humilha-lo? Ou mesmo um homem tem esse direito?

Veja, que aqui não estou querendo justificar as agressões, em particular a agressão de Laerte, querendo colocar culpa em cima de alguém. O que a cena me parece querer levantar, e também gostaria de levantar é justamente essa igualdade entre ambos. Onde ninguém deve ser maior e nem menor que ninguém. 
Mulheres com os mesmos direitos que os homens e vice-versa.

Levanto a bandeira de NÃO A VIÔLENCIA CONTRA A MULHER!
E também NÃO A VIÔLENCIA CONTRA O HOMEM!

Acredito que hoje tais violencias são distintas de alguma forma.
Existe a violência, absurda, de homens que agridem física e psicologicamente suas mulheres. E graças a Deus, temos um lei que as protege. Basta que tenham a coragem de denunciar.


E também, vejo isso, que há a violência, mais psicológica de mulheres contra homens também, e que ninguém quer falar e muitos querem fechar os olhos. Porque?

Quem é culpado nisso tudo? O Homem a mulher? Ou mesmo a sociedade?
Que hoje tem, muitas vezes, pregado que um tem de ser melhor que o outro, e não um sistema de igualdade que, sim, foi constituído no passado e foi deturpado. 
Precisaria de mais um post para falar sobre isso, mas acredito que o significado da palavra 'submissão' hoje é completamente deturpado.
Isso acontece nas famílias e deve ser discutido.
Igualdade! Mas, claro uma igualdade que cada um, também, tenha um papel, um dever a cumprir.

Que "Em Família" possa continuar levantando questões. Trazendo, sim, a realidade muitas vezes doída da sociedade. 

Neste post, as opiniões com certeza são muito bem vindas. Levanto a discussão e quero poder ouvir você que aqui ler. Abrir o pensamento. Uma Alma Crítica, estão comigo? Deixe seu comentário.

Espero que tenham gostado e até o próximo domingo.

Por Jônatas Amaral