O Escritor Fantasma: Nada é o que parece.




O filme começa com a morte do primeiro escritor fantasma de Adam Lang (Pierce Brosnan), um ex - primeiro ministro britânico e logo pensamos: vem aí uma história cheia de mistérios, segredos políticos, falcatruas e suspense, o que de fato encontramos, porém distribuídos razoavelmente em três momentos durante os 128 minutos de filme.

No primeiro momento somos apresentados ao novo escritor fantasma (Ewan McGregor) do Ex – Primeiro Ministro , que tem a missão de terminar o livro de memórias do mesmo.  Aqui conhecemos um pouco da vida política de Adam, a sua relação com a mulher, os problemas, pois logo Adam é acusado de crimes de guerra. É uma parte um tanto monótona, que por vezes parece cansativa.

Contudo, o filme nos apresenta seus mistérios, pois fica claro ao longo das entrevistas com Lang, sobre sua vida, que algo muito importante está faltando, ou  está mal explicado, e talvez seja essa “pulga atrás da orelha” que nos influencia a continuar acompanhando a história.

No segundo momento o mistério, o suspense são aflorados cada vez mais, graças a esposa de Lang: Ruth Lang (Olivia Willians) e também ao Escritor Fantasma. Novas situações são colocadas em pauta, novos personagens nos intrigam. Surgem as perguntas: “Como Mike Navara morreu, e porque?”, “Quem é Paul Emmett” , “Lang cometeu de fato os crimes de guerra?”...

A Terceira e última parte é o grande momento do filme. A caça por respostas leva a perseguições,
momentos de verdadeira tensão, e aqui sim concluímos que em “O Escritor Fantasma” nada é o que parece.

“O Escritor Fantasma” (The Ghost Writer, Summit Entertainment. 2010). É um filme inteligente, com bons diálogos, possui uma boa e coerente história.


Encontramos boas atuações, com destaque para Ewan McGregor, Pierce Brosnan e Olívia Willians, está última pode ser considerada a grande performance do longa.


A trilha sonora é, por vezes, falha. Em certos momentos do longa as composições parecem inapropriadas. Pode-se considera-la parecida como a de um filme de terror barato em certos momentos.

O Filme nos passa uma visão critica da política e seus encargos, do poder, até porque nesse meio, muitas vezes, nada é o que parece de fato. O Escritor Fantasma pode representar a sociedade querendo descobrir a verdade. E se pararmos para pensar (o filme nos leva a refletir sobre isto), quantos já não foram corrompidos, subornados ou até morreram por esta “verdade”?.

Outro ponto relevante, é a forma como é retratada a produção e publicação de livros. Os prazos dados pelas editoras, o dinheiro, a fama...

É um filme que vale a pena assistir. Ressaltamos que: se preparem para assistir a um final surpreendente, porque isto ele nos oferece.

“O Escritor Fantasma” é um filme para aqueles que gostam de se aventurar nas situações e mundos que envolvem a política, e também para os ávidos escritores e futuros escritores. É um filme que trás dois mundos extremamente indagadores e interessantes.


Confira o Trailer:


Por Jônatas Amaral

Jônatas Amaral

Sou Jônatas Amaral, 22 anos. Paraense, Brasileiro. Formado em Letras - Língua Portuguesa. Um sonhador por natureza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário