[CRITICA] – Hotel Transilvânia


Hotel Transilvânia é um daqueles filmes para assistir com a família toda reunida, dar boas gargalhadas, se emocionar talvez e ainda receber uma “liçãozinha” famíliar. É uma boa escolha para curtir. 

O Hotel Transilvânia é um resort cinco estrelas que serve de refúgio para que os monstros possam descansar do árduo trabalho de perseguir e assustar os humanos. O local é comandado pelo Conde Drácula (Adam Sandler), que resolve convidar os amigos para comemorar, ao longo de um fim de semana, o 118º aniversário de sua filha Mavis (Selena Gomez). O que ele não esperava era que Jonathan (Adam Samberg), um humano sem noção, fosse aparecer no local justo quando o hotel está repleto de convidados e, ainda por cima, se apaixonasse por Mavis. 


Creio que o maior trunfo do filme dirigido por Genny TartaKovsky seja suas mensagens e pequenas criticas lançadas ao longo do filme, como uma criticazinha ao filme crepúsculo, e sua forma de mostrar os vampiros. (Não dá para não dar uma risada) 

A lição aprendia por Drácula é uma mensagem que serva para muitos pais que na vontade de querer proteger seus filhos acabam excluindo de escolher/tomar suas próprias decisões. Aprender que há, sim, um jeito de proteger os filhos sempre, mas sem prendê-los enclausurados num castelo. A Vida é feita de escolhas e cada um precisa aprender a viver com suas próprias. 

Hotel Transilvânia tem ótima produção, você fica fascinado com os monstros criados ( o meu preferido foi o homem invisível). O Roteiro tem algumas barrigas que poderiam ter sido evitadas, mas que não afetam com grande escala a produção. É um filme ágil, com muita ação. Divertido. 

Os seres Humanos tem chance no meio de tantos “monstros”, o personagem Jhonata é hilário, responsável por boa parte das situações engraçadas, assim como indesejáveis para o Sr. Drácula. 

Um Filme Legal para sentar com a família numa tarde, junto com um grande balde de pipoca, prontos para curtir um cineminha em casa.

Por Jônatas Amaral

[CRITICA] FRANKENWENIE: Um Filme Criativo de Tim Burton.



Antes Mesmo de a listagem dos filmes indicados ao Oscar ser divulgada eu já apostava que “Frankenweenie” devia estar entre os indicados a “Melhor Filme de Animação”, mesmo sem ter assistido ao filme. Pelas informações divulgadas sobre a produção, eu já podia notar que Tim Burton estava trazendo para as telas do cinema algo criativo que merecia pelo menos uma nomeação ao “Carequinha Dourado”.

A Indicação veio, e minha aposta fora para o filme de Tim Burton que contava a história de Vitor, que ao perder inesperadamente seu cachorro Sparky, o garoto utiliza o poder da ciência para trazer seu melhor (e único) amigo de volta à vida, com apenas alguns pequenos ajustes. Ele tenta esconder sua criação em casa, mas quando Sparky sai, os colegas e professores de Victor, e toda a cidade aprende que a vida poder ser monstruosa.

Frankenweinne apesar de ser um remake do curta-metragem homônimo de 1984, é bem atual, nos diverte com um humor inteligente e “assombroso”; O Filme preto e branco foi feito em Stop Motion, que deu ao filme um ar de terror, assombro, morbidez, ou seja, deu ao filme um grau criativo e diferente para uma animação.

O Filme para crianças muito pequenas pode ser considerado um Terror: monstros, sustos, música típicas dos clássicos filmes de terror nos deixam vidrados na tela, esperando a próxima ação dos personagens.

Tim Burton mantém sua marca registrada, um filme sombrio, cheio de excentricidades maluquices , Personagens marcantes. Porém ao contrário dos outros filmes recentes de Tim Burton, Frankenwennie tem um roteiro muito bem amarrado, sem pontas soltas, uma produção cheia de detalhes, uma trilha sonora que nos faz embarcar ainda mais nas emoções do filme, e uma criatividade que a tempo não via. Tim Burton fez algo Fantástico! Assim Como Publicou a Revista Americana VARIETY: “Fantástica História de Paixão, Criatividade e Amor Genuíno”. 

Ciência, Suspense, Terror, Amor, Amizade... Misturam-se em “Frankenweniee” e o faz ser um filme que vale a pena assistir.


Por Jônatas Amaral