O Uso da Tecnologia está tornando o homem antissocial?




As tecnologias como Ipod, Celular, Tablet e computador, podem estar tirando do homem o poder de desfrutar a alegria de estar face a face com as pessoas ao seu redor, por outro lado, esses objetos têm trazido o prazer de usar e compartilhar as coisas que se gosta. 

De um modo Geral tudo que é criado pelo homem proporciona coisas boas e más. A tecnologia hoje é um instrumento muitas vezes necessário para se adquirir novas informações, é uma forma fácil de se achar entretenimento; por outro lado, muitas vezes, a pessoa que a utiliza se torna alguém fechada (presa) a sua rede virtual. 

A tecnologia tem feito muitas pessoas aprenderem a se socializar através das mensagens virtuais, a serem pessoas alegres, simpáticas, comunicativas apenas na frente da tela de um celular ou computador; não é raro vermos vizinhos próximos conversando apenas por mensagens, sem jamais trocarem uma palavra que seja pessoalmente... 

Andreas Pavel (que inventou o aparelho precursor do Ipod) disse que sua invenção traria ao usuário “o prazer da música combinado com a visão do seu ambiente” colocando uma trilha sonora em sua vida, e tempos depois o Ipod trouxe exatamente essa sensação, o prazer de ter uma canção ao seu alcance a qualquer hora, porém, algumas pessoas tornam esse aparelho um meio de isolamento permanente, trocando toda hora uma boa conversa, por exemplo, pela companhia das músicas de seu “Ipod” 

Portanto, os usos dessas tecnologias hoje trazem ao homem vantagens e (se não dominadas com cuidado) males, mas não o torna um ser totalmente antissocial, o torna um ser moderno e antenada, que não pode se deixar dominar pela tecnologia, e o faça se tornar alguém solitário, preso a uma rede virtual.

Por Jônatas Amaral

A Avenida que Parou O Brasil.



19/10/2012 

A noite deste dia foi diferente. Não, nenhum tsunami chegou ao Brasil; o que parou o país (querendo ou não) foi o último capitulo da novela escrita por João Emanuel Carneiro: AVENIDA BRASIL. 

O Brasil parou para saber o final da vingança de nina, o fim de Carminha, quem matou Max, o casamento de Cadinho e suas três esposas, e curtir os momentos finais da turma do Divino; foi impressionante como “Avenida Brasil” conseguiu tanta identificação com o público. Uma história densa, sim, com erros mas o que é a vida sem eles? 



Todos os dias o “OIOIOI” da abertura virava um dos assuntos mais comentados do twitter, bastava um personagem falar algo novo que virava jargão, quem não ouviu ou falou “Tudo é culpa da Rita” ou “Me serve Vadia”? Avenida Brasil em minha opinião foi a novela mais interativa de todos os tempos. 

“Avenida” levou ao público a sede de justiça de Nina, trouxe a tona uma história de vida triste de Carminha que nos levou a pensar: A Justiça não seria uma forma de vingança? Os fins justificam os meios? É possível perdoar certas coisas? – A novela respondeu a todas essas perguntas a sua maneira. 



O Final foi um grande trunfo, pois foi um final humano, Carminha apesar de tudo continuou fresca, rebelde e chique, porém, sentiu o prazer de ser perdoada, de ter uma família, não foi um final feliz para ela, foi um final honesto. 
A Novela teve seus altos e baixos, personagens mal construídos (Ivana); abordagens feitas de formas ofensivas (como o ingressam dos evangélicos), muitas "barrigas", mas nada disso fez o público tirar os olhos da tela. Estaria nascendo uma nova fórmula de se fazer novela? Novelas mais humanas? Onde ninguém é só bom ou mal? 

“Avenida Brasil” desde os primeiros capítulos- que revelou Mel Maia- mostrou que veio para se consagrar, mas ninguém esperou que ela se torna-se o sucesso que se tornou. Consagrou-se.

Méritos aos atores que brilharam: Adriana Esteves (Carminha), Cauã Reymond (Jorginho), Débora Falabella (Nina) , Vera Holtz (Lucinda), Fabíola Nascimento(Olenka) , José de Abreu (Nilo) , Marcelo Novaes (Max) , Helóise Perisse (Monalisa), Marcos Caruzo (Leleco), Eliane Geardini (Muricy), Cacau Protássio (Zezé), Murilo Benicío (Tufão), Alexandre Borges (Cadinho), Camila Morgado (Noemia), Carolina Ferraz (Alexia), Debóra Bloch (Verônica), Juliano Cazarré (Adauto)... Enfim, a todo o elenco e principalmente aos diretores e ao grande Autor. 



“Avenida Brasil” é a Vida, cheia de altos e baixos, lixões, vítimas, maldade, traumas, além de ser cheia de alegrias, amores, famílias, cheia de perdão; Pode haver engarrafamentos ao longo dessa Avenida chamada Vida, mas uma hora o trânsito volta a fluir e voltamos a sorrir. 

“Avenida Brasil” – FIM.

Por Jônatas Amaral

Doação de órgãos: Um ato de Amor!



Doar é um ato de dar sem pedir nada em troca, é um ato nobre que deveria tornar-se algo constante, principalmente quando tal doação salvará uma vida. A doação de órgãos ainda é uma ação que gera dúvidas, discussões e recentemente tem sido usada de forma ilegal, mas que ainda assim precisa ser incentivada. 

Em 2010, foram registrados 1896 transplantes de órgãos no Brasil, sendo São Paulo e Santa Catarina os estados que possuíram os melhores índices de doadores, isso se deve ao fortalecimento do Sistema Nacional de Transplantes (SNT), e mais recentemente em 2011 o Brasil bateu recordes na doação de órgãos, alcançando a marca de 9,9 doadores por milhão de pessoas, porém esses números não são muito satisfatórios quando somados com o número elevado de pessoas esperando na fila de doação, e analisando quantas dessas pessoas morrem esperando na fila. 

A falta de doadores de órgãos está muitas vezes ligada à falta de informações, por exemplo: muitas famílias não liberam a doação por temerem receber um corpo todo retalhado, o que é mito, já que a lei pede que o corpo seja entregue sem muitas danificações; o Governo (tanto federal quanto estadual) deveria investir em campanhas orientadoras intensamente, assim também mobilizar-se para acabar com um crime que tem-se tornado comum no Brasil e no mundo que é o “tráfico de órgãos”, como o mecanismo “Turismo de transplantes” 

Religiões e seitas já foram muito rigorosas e condenavam muito a prática da doação de órgãos, mas hoje apesar de ainda haver uma certa resistência de algumas, muitas já perceberam a importância de doar um órgão, de ajudar um ser a viver. 

Portanto, doar um órgão é um ato de amor à vida que precisa ser incentivado e praticado sem almejar nada em troca, e sim ser praticado pelo majestoso fato de se ter o privilégio de salvar uma vida!

Por Jônatas Amaral